• Papai no Controle

Aborto espontâneo - Esteja presente!


Esses dias, fui todo feliz perguntar como andava a gravidez de um velho amigo meu! Que baque! Nossa conversa foi estancada com uma notícia chata, muito triste! Eles tinham perdido o bebê.

O termo aborto espontâneo ou involuntário é o termo usado quando a gravidez com menos de 20 semanas de gestação é interrompida. Gravidez é sempre uma caixinha de surpresas e cada bebê é único. Durante a gestação da Tarsila, enfrentamos a diabetes gestacional e já na última semana uma suspeita de lábio leporino. Graças a Deus vencemos e ela nasceu perfeita!

Nessa segunda gestação o desafio foi ainda maior! Os hormônios t3 e t4 da mamãe não chegavam a um nível de segurança e o risco de perder o bebê era real. Logo no início, passamos por um baita susto e corremos para nossa medica de confiança. Mamãe passou a usar hormônios para sustentar a gestação até que conseguimos normalizar.

E porque estamos falando desse terrível assunto para os papais?

Pesquisas apontam que 25% das gestações terminam em aborto espontâneo, sendo a maior parte nos três primeiros meses de gravidez. Por números como esses que defendo a companhia do pai em todas as consultas. Isso é de fundamental importância para o crescimento da família. Que esse período seja vivido por ambos e que toda informação que chegue seja acompanhada em conjunto.

Uma MÃE, por mais forte que ela seja, vai precisar do apoio e consolo do pai nessas e em tantas outras horas.


É dever do pai, estar lá para toda e qualquer notícia, se em algum momento você não souber o que falar, apenas respire fundo, acolha sua esposa em seus braços dia: Eu estou aqui! Pode parecer simples, mas ela precisa ouvir que tem um castelo forte ao seu lado e tudo aquilo passará.

Não deixe o sentimento de culpa ou remorso se aproximar de vocês, papai e mamãe lutaram juntos por essa gravidez e juntos enfrentarão e testemunharão todas as novas alegrias.

E para os desavisados de plantão, vamos deixar algumas dicas para que você não saia piorando ainda mais o momento dos outros!

Nunca diga:

“Não fique triste. Não era para ser”

“Com o tempo você vai arrumar outro filho”

“Você é fraca, não conseguiu segurar o bebê”

“O que aconteceu dessa vez? ”

“Você tem certeza de que quer mesmo ter outro bebê? ”

“Ainda bem que você estava no começo da gravidez”

“Não fique mal. A criança poderia ter nascido com algum problema de saúde”

“Talvez a maternidade não seja para você”

Esses e outros comentários podem prolongar ainda mais a dor e o luto da família.


 Brasília DF  |      © 2015 Papai no controle  | blogpapainocontrole.com