• Papai no Controle

Já ouviu falar em impetigo? - Tarsila foi contaminada durante a viagem!


Tarsila está bem melhor da infecção na pele! Agradeço pelas informações, preocupação e orações de vocês. Foram tantas dúvidas que precisei dar uma estudada no assunto pra poder entender melhor e responder tantas perguntas.

A doença na pele que Tarsila teve se chama IMPETIGO. Ela é causada por uma bactéria chamada Staphylococcus aureus. Normalmente ela afeta crianças e pessoas com imunidade mais baixa e é transmitida pelo contato com objetos contaminados.

Nas fotos você percebe claramente a evolução do tratamento. A primeira foi quando chegamos da praia e começamos com os medicamentos. Na segunda já tinham passado 5 dias é a ferida já estava muito melhor!

Causas de impetigo

As bactérias responsáveis pelo impetigo são os estreptococos, bactérias que podem estar presentes no corpo, principalmente nas narinas. Esta doença cutânea bacteriana é mais comumente causada pelos estreptococos beta-hemolíticos do grupo A (Streptococcus pyogenes) e, mais raramente Staphylococcus aureus. Estes tendem a ser mais encontrados em recém-nascidos e lactentes.

Seu modo de transmissão difere um pouco de acordo com a bactéria responsável. Os estreptococos beta-hemolíticos são transmitidos pelo contato direto com as lesões, enquanto os Staphylococcus aureus são transmitidos pelo contato com as lesões contaminadas e com objetos contaminados (roupa, mãos sujas).

O tempo de incubação é de 1 a 10 dias. Como o impetigo é uma doença comum e altamente contagiosa, é preciso isolar os doentes. As pessoas mais afetadas por impetigo são crianças e bebês. Assim, uma vez diagnosticadas, essas crianças devem sair da escola durante o tratamento. É prioritário o afastamento dos bebês, população especialmente suscetível a infecções. Os pacientes ainda estão contagiosos um a dois dias depois do início da antibioticoterapia por via oral.

(Fonte: www.criasaude.com.br)

A bactéria pode estar em qualquer lugar e as nossas suspeitas giram em torno da praia ou água do chuveiro contaminada, já que trocamos de hotel em Currais Novos por conta do fedor da água. Uma colega disse que essa bactéria é bem mais comum em tempo de chuva e os artigos que eu li confirmam isso. Calor e umidade contribuem bastante.

Para que entre na pele, ela precisa de uma porta de entrada, que pode ser uma pequena ferida, corte ou até mesmo uma picada de mosquito, que foi o caso da Tarsila. Essas picadas viraram feridinhas e foram o suficiente. A infecção aconteceu no couro cabeludo e nas costas, onde viraram bolhas enormes e desceram para a axila.

Fatores de risco

Por mais que qualquer pessoa possa desenvolver a doença, é preciso ressaltar que alguns fatores de risco contribuem para que isso aconteça. Confira abaixo quais são:

Idade: impetigo acontece principalmente em crianças de 2 a 5 anos de idade.

Superlotação: a doença se espalha mais facilmente em lugares que possuem uma grande quantidade de crianças (ex: escolas e creches).

Tempo úmido: infecções como o Impetigo são mais comuns de ocorrerem no Verão.

Prática de esportes de contato: a participação em esportes de contato, como o futebol, aumenta o risco da transmissão do Impetigo.

Pele lesionada: as bactérias causadoras do impetigo entram em sua pele através de pequenas lesões.

Sistema imunológico comprometido: pessoas idosas ou com diabetes, por exemplo, são mais propensos a desenvolverem a doença.

(Informações do site www. minutosaudavel.com.br)

A princípio ela não sentia dor. Quando chegamos em Brasília essas bolhas estouraram e os banhos viraram um sacrifício. Corremos para o hospital e a médica passou um antibiótico oral e uma pomada que, no início parecia derreter a pele, mas ajudou a secar o machucado.

A orientação que recebemos foi de manter Tarsila longe do Ravi, apesar que ele também estava cheio de pintinhas vermelhas, lavar as roupas separadas, passar pomada debaixo das unhas e no nariz, onde bactéria por estar presente e redobrar a higiene.

Fica a dica para os papais de plantão. Informação é tudo!


 Brasília DF  |      © 2015 Papai no controle  | blogpapainocontrole.com