• Jamile Damasceno

Hormônios da tireoide – 7 Meses após o parto


O sobe-desce dos hormônios da tireoide já está quase no fim. Ravi completou seu 7º mêsversário e me sinto levemente ressaqueada. Os sintomas se misturam com as noites turbulentas, com a amamentação e com uma menininha de 3 anos que as vezes suga bem mais que um bebezinho no peito. Ou seja, tudo dentro do normal!

Para quem não sabe, engravidei do meu segundo filho seis meses depois de retirar completamente minha tireóide. Eu não tinha problemas hormonais, mas os nódulos cresciam rapidamente e tinham algumas indicações cirúrgicas, pelo tamanho, pelas características e pelo fato da minha mãe ter retirado a tireóide por câncer, um ano antes.

A minha gestação foi marcada por um hipotireoidismo severo, onde meus níveis de TSH chegaram a 21 quando não poderiam passar de 2, e me causaram fortes sintomas como o ressecamento da pele, mal-estar e uma lentidão no sistema gastrointestinal, a ponto de quase precisar fazer uma lavagem intestinal. Sobrevivi, depois de encontrar uma médica particular, que custou caro, mas me deu muito apoio e muito hormônio, já que aumentou de 100 para 175mcg.

Depois que o Ravi nasceu precisei baixar gradativamente a quantidade de hormônio e voltar para os 100mcg. Me foi recomendado aguardar um pouco para iniciar a mudança. Sinceramente, o hipertireoidismo me ajudou mais no pós-parto do que atrapalhou. No fundo, no fundo, a falta de sono, agitação e hiperatividade, foram importantes para conseguir lidar com um recém-nascido, uma filha sedenta de atenção, uma casa, um marido, uma vida....

Com o passar do tempo, eu fui ficando muito ansiosa (um dos sintomas do hiper) e comecei a me preocupar. Fui fazendo os exames de sangue e baixando os níveis, aos poucos. Para quem não sabe, a quantidade de hormônio está ligada diretamente ao peso da pessoa e ao ritmo metabólico. Na gestação eu engordei 20 kg e continuei com um peso bem acima do meu normal nos primeiros meses de pós-parto. Por isso, também, não poderia baixar a medicação de uma vez.

Nessa última consulta, voltei para os 100mcg de antes da gestação. Tive medo de não ter a mesma disposição com as crianças, mas tudo foi se encaixando lentamente. Diminuí um pouco o ritmo frenético em que eu estava. Senti um ressecamento nas unhas e na pele e uma sensação de nostalgia, não sei se já sentiram isso?! Outra coisa engraçada, que só quem já teve hipotireoidismo vai saber. Senti um gelo nos ossos, principalmente nas pernas. Minha mãe fala que sente nas costas. Já uma amiga sente um frio no pescoço. Mas nada que meias beem altas não resolvam.

Por fim, já tem 4 semanas que voltei a dosagem que usava antes da gestação. Hoje olho para o meu filho e vejo como tudo o que passei valeu a pena. O desenvolvimento dele está ótimo e dentro do esperado. Esse 7º mês está sendo marcado por tentativas de engatinhar, equilíbrio ao sentar e um amorrrr gigante pela irmãzinha.

Se você tem problemas de tireoide, não subestime o poder dos seus hormônios. Priorize sua saúde e procure um bom endocrinologista.

Quer saber mais? Veja postagens relacionadas:

Engravidar com problemas na tireoide - isso é possível?

Gravidez X Tireoidectomia - O que muda na vida de uma gestante

#Tireoide #Tireoidectomiatotal #Hipotireoidismo

 Brasília DF  |      © 2015 Papai no controle  | blogpapainocontrole.com